02/01/2016

Ingleses

Onde estamos

Ingleses é um dos bairros mais desenvolvidos e bem preparados para o Turismo em Florianópolis.

A PRAIA DOS INGLESES

Ao longo dos seus 5km de extensão, a Praia dos Ingleses tem cenários para todos os gostos: costões rochosos, largas faixas de areia, áreas com diversos restaurantes e tendas de aperitivos, áreas residenciais (e sem comércio) acessíveis por trilhas em meio à restinga, dunas altas e boas para a prática do sandboard, museu de oficinas líticas (pedras com inscrições rupestres e pedras que eram usadas para confeccionar ferramentas), vila de pescadores locais, e até uma marina de onde sai uma trilha que leva ao alto do Morro dos Ingleses e à Praia do Santinho… e o mar também é diversificado, com trechos de ondas boas para o surf e também trechos sem ondas, ideais para famílias com crianças pequenas.

Nossa casa está a 700m do mar.

O mercado, farmácia e restaurante por quilo mais próximos estão a 700m de distância; e todo o restante do comércio está a 1,1~1,5km de distância – incluindo o hipermercado (Angeloni), o Atacadista Brasil, bancos (Brasil, Itaú, Bradesco e CEF), correios, Shopping, e dezenas de restaurantes, pizzarias, bares, pubs, sorveterias, padarias, pequenos mercados, agências de turismo, e lojas de souvenirs, artesanatos, etc..

O bairro dos Ingleses

O bairro Ingleses do Rio Vermelho está localizado no extremo norte da Ilha de Santa Catarina, distante 32,9 km do centro de Florianópolis. Ingleses, como é mais conhecido por turistas e moradores, é um dos balneários com a maior infraestrutura urbana da região.

Sua área abrange 20,47 km² e engloba desde as praias do Santinho e Ingleses até a localidade mais afastadas da orla, chamada de Sítio do Capivari.

Dentre todas os balneários de Florianópolis, Ingleses é o que possui a maior população residente, em torno de 30 mil habitantes fixos. Entretanto, durante os meses da temporada de férias de verão, esse número chega a triplicar.

O acesso de carro ao bairro pode ser feito de duas formas. Pela principal, via SC-401, e depois pela SC-403, ou pela Rodovia João Gualberto Soares, através do Rio Vermelho.

O comércio de Ingleses é bastante desenvolvido e variado, com opções que vão de hipermercados a filiais de grandes redes de magazines.

Ao longo da porção final da SC-403, próximo à praia, existem centros comerciais, mercados, farmácias, padarias, agências bancárias e posto de gasolina, fazendo com que não seja necessário se deslocar para outros bairros do norte da Ilha para encontrar o que se procura.

Muito popular entre turistas, “os Ingleses” reúne diversas nacionalidades e culturas durante o verão. A região possui uma boa oferta de lazer com operadoras de passeios turísticos. Inclusive, é neste bairro que está localizada a Praia do Santinho, onde fica o multi-premiado e mais completo complexo turístico da região, o Costão do Santinho Resort e seu mega empreendimento, que mescla condomínio de casas de alto luxo a um campo de golf com nove buracos.

As opções de lazer noturno na região são poucas. A cada temporada de verão, costumam abrir casas noturnas e bares novos. Aos que buscam algo mais sofisticado, basta ir até as praias próximas (Jurerê Internacional e Canasvieiras), onde há bares, restaurantes e casas noturnas, assim como os beach points mais badalados da cidade.

História

0707-SC-Floripa-Caminhada-Ingleses-Santinho-3698-Foto-Marcelo-MaestrelliExistem diversas versões a respeito da origem do nome do bairro Ingleses do Rio Vermelho. Muitos o atribuem ao suposto naufrágio de um navio inglês no século XVIII. Outros vão ainda mais longe e acreditam que a tripulação desse navio tinha algum grau de parentesco com a rainha Ana da Inglaterra. Há, ainda, a versão de que o nome refere-se à companhia inglesa de exploração de óleo de baleia que existia na localidade. No entanto, a única coisa que se sabe com certeza é que “Rio Vermelho” é uma referência direta ao fato da região do bairro Ingleses ter pertencido à freguesia de São João Batista do Rio Vermelho por muito tempo.

Os registros mais antigos a respeito do bairro datam do século XVI, quando Cabeza de Vaca, famoso conquistador espanhol, passou pela Ilha de Santa Catarina e estabeleceu contato com os índios carijós. Contudo, sabe-se hoje que essa etnia habitava a Ilha por pelo menos duzentos anos antes desse encontro ocorrer, o que levanta a hipótese de que a ocupação de Ingleses do Rio Vermelho seja ainda mais antiga.

De acordo com Cabeza de Vaca, os carijós agrupavam-se em pequenas tribos, eram amistosos e viviam da pesca e da agricultura. A presença do grupo se estenderia pelos três séculos seguintes, encontrando seu fim com a chegada de descendentes de imigrantes açorianos. Segundo alguns dos moradores mais antigos do bairro, essas famílias se deslocaram de lugares como Ganchos (atualmente Governador Celso Ramos) e Biguaçu, estabelecendo em Ingleses do Rio Vermelho um povoado pesqueiro e agrícola.

renda de bilro

Existem hoje poucas rendeiras de bilro na ilha.

Com o passar do tempo, a comunidade construiu alguns engenhos e começou a criar animais. Além das atividades domésticas e da agricultura, as mulheres também se dedicavam à produção da renda de bilro e trabalhavam nas salgas. Apesar de predominarem as atividades de subsistência, todo o excedente da produção local era doado, trocado por outros produtos ou comercializado no centro da Vila de Desterro (antigo nome da ilha de Florianópolis).

Esses espaços destinados ao trabalho eram os principais responsáveis pelo estabelecimento de laços sociais entre os moradores. A igreja também era outro ponto importante nesse sentido, pois as missas, as festas religiosas e os bailes permitiam que todos se encontrassem. Ao longo do ano ocorriam as festas de São José e do Sagrado Coração, o Terno de Reis, a homenagem ao Senhor do Bom Jesus e as comemorações de Páscoa, Natal e Nossa Senhora dos Navegantes e a festa do Pescador.

Em 1962, Ingleses do Rio Vermelho foi oficialmente desmembrado do distrito de São João do Rio Vermelho. Porém, a localidade manteve-se bastante isolada do restante de Florianópolis até a década de 1970. Essa situação só foi revertida com a construção das rodovias SC-401 e SC-403. A conclusão dessas obras contribuiu bastante para a expansão urbana e turística do bairro, pois facilitou o contato entre o Centro e os balneários do norte da Ilha.

Nas décadas que se seguiram, ocorreram melhorias na infraestrutura de Ingleses e o que se pôde verificar foi tanto o aumento da oferta de serviços quanto um incremento no comércio que já existia. Boa parte da população local passou a se dedicar a atividades ligadas ao turismo e, em questão de poucos anos, a quantidade de moradores fixos do bairro aumentou consideravelmente. Hoje, muitos até falam que Ingleses é uma cidade e não um bairro.

A Praia dos Ingleses é um dos destinos mais movimentados da ilha durante o ano inteiro e, principalmente, no verão. Isso porque conta com grande infraestrutura que vai de serviços na praia até um pequeno shopping center. Bares, shows, restaurantes e o forte comércio garantem a diversão de famílias e jovens à noite, enquanto que durante o dia a praia é o local preferido.

Ingleses é um dos principais destinos de turistas do Cone Sul. Por conta disso, muitos estabelecimentos oferecem serviços bilíngues e não é difícil encontrar jornais argentinos, casas de câmbio, lan houses e telefônicas.

A grande extensão da praia permite que, de um lado, o mar seja calmo e ideal para levar crianças e idosos e, de outro, as ondas sejam fortes e propícias para o surf. É o destino certo para quem quer praia com bastante movimentação, bares na areia, música, compras, paquera.

A praia tem um apelido: Zinga. Nativos e moradores geralmente falam assim.

Características Naturais da Praia dos Ingleses

0507-SC-Floripa-Morro-dos-Ingleses-0107-Foto-Marcelo-Maestrelli

Praia dos Ingleses, vista a partir da trilha do morro das aranhas – ao leste da praia. Pode-se ver a marina do Costão do Santinho, alguns ranchos de pescadores, as dunas e a urbanização do bairro. Ao fundo, os morros do continente.

É uma praia aberta, voltada para o oceano a nordeste. Faz fronteira ao norte com a Ponta da Feiticeira, que separa a Praia dos Ingleses da Praia Brava – esta região conta com trilhas que permitem o acesso a pé para as duas praias. Ao sul, o Morro dos Ingleses faz a divisa da Praia dos Ingleses com a Praia do Santinho – também é possível fazer trilhas por este trajeto.

A praia é extensa e chega perto dos 5km. As ondas são fortes e longas, sendo que no canto norte elas são maiores e mais violentas do que no canto sul. A areia é muito fina e branca, sendo que há, nesta região, a maior formação de dunas da cidade. No verão, a temperatura da água fica quente e agradável, própria para aquele banho gostoso.

História da Praia dos Ingleses

Há poucos registros históricos sobre a Praia dos Ingleses. Sabe-se que ela carrega esta denominação por conta do naufrágio de uma embarcação inglesa na área, entre 1683 e 1737. Estas datas foram estabelecidas pela análise dos objetos encontrados, como uma régua de Gunther com a inscrição “1683”, vasos de cerâmica onde se guardava a água potável e diversos outros instrumentos náuticos.

Pelas condições em que o leme da embarcação foi encontrado, sugere-se que houve um incêndio a bordo. Algumas ossadas foram desenterradas. Elas pertenciam a homens de 16 a 20 anos – idade comum dos marujos na época. Os sobreviventes se estabeleceram na região da Praia dos Ingleses, onde praticavam a agricultura para garantir a sobrevivência.

A embarcação está enterrada na areia em profundidades que variam entre um e oito metros, com mais dois metros de água por cima – a, aproximadamente, cinquenta metros da praia. Descobriu-se este naufrágio em 1989, quando um mergulhador encontrou uma jarra de cerâmica, que logo se tornou a primeira pista para historiadores e arqueólogos.

Surgiram na região alguns engenhos de açúcar e farinha. Também se criava gado e galinhas. Era uma região tipicamente açoriana, com intensa atividade pesqueira.

A Praia dos Ingleses carrega até hoje o título de recordista em lance de tainha, pois chegou a recolher mais de 80 mil tainhas em um só lance.